ICB-USP cria Código e Escritório de Boas Práticas Científicas

O Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da Universidade de São Paulo (USP) criou o Escritório de Boas Práticas Científicas (EBPC/ICB), associado ao Código de Boas Práticas Científicas, ambos aprovados pela Congregação do instituto em 6 de setembro de 2016.

Integram o EBPC/ICB os presidentes das Comissões de Graduação, Pós-Graduação, Pesquisa e os Presidentes dos Comitês de Ética em Pesquisa com Seres Humanos e de Ética no Uso de Animais do ICB, informou a área de Comunicação Institucional do ICB.

Entre as atividades do escritório está previsto o oferecimento de treinamento, suporte, aconselhamento e divulgação sobre boas práticas científicas aos envolvidos no processo de produção de ciência no ICB, como pesquisadores, alunos de graduação, iniciação científica, pós-graduação e técnicos de laboratórios. Também caberá ao escritório proceder a verificações e levantamento de indícios quando houver denúncias de possíveis desvios de condutas e práticas incorretas na atividade científica dos membros do instituto.

Segundo o diretor do ICB, Jackson Bittencourt, o Escritório de Boas Práticas Científicas cria “mecanismos legais, permanentes, previamente acordados e transparentes de verificar possíveis casos de má conduta em pesquisas realizadas no Instituto. Além disso, queremos criar a cultura da educação, prevenção, investigação e sanções quando forem necessárias”.

O Código de Boas Práticas Científicas da Fapesp estimula a criação de centros tais como o do EBPC/ICB, com o objetivo de reforçar na comunidade científica paulista, uma cultura sólida e bem arraigada de integridade ética da pesquisa mediante um conjunto de estratégias assentado sobre três pilares interdependentes: educação, prevenção, investigação e sanção justas e rigorosas.

O Código de Boas Práticas Científicas do ICB está disponível em www.icb.usp.br/infoicb/2016/codigodeboaspraticasICBUSP.pdf

A portaria de criação do EBPC/ICB está disponível no endereço www.icb.usp.br/infoicb/2016/portariaEBPC-doe.pdf.

Fonte: Jornal da Ciência